Páginas

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Quero uma mãe gordinha!

Quando meu esposo trabalhou na cidade de Santos - SP, trouxe-me, certo dia, o texto abaixo impresso, retirado do Jornal A Tribuna. Ainda não éramos pais; mas, lendo esse relato, sabíamos que tipo de pais não queríamos ser para nossos filhos! O texto é de 2005, de autoria de Luiz Alca de Sant'Anna.



Quero uma mãe gordinha!


O tom depressivo da garota de 17 anos, no e-mail, me abalou no meio do feriado. E olhe que esta página tem recebido muitas mensagens de adoslecentes, o que é muito bom. no início nem entendi quando ela falava que 'chapou o coco' para ter coragem de escrever e que anda gastando toda a mesada com 'goró', apesar de odiar fazer isso. Tive que pedir ajuda a outro adolescente para saber que 'chapar o coco' é ficar bêbado e 'goró' é a própria bebida. Aí ela descreve o seu drama e a imensa tristeza, sempre nos mesmos termos. Sente-se completamente abandonada pels pais, também muito jovens, de 37 anos, a mãe, e de 41, o pai. Só tem um irmão de 12, que mora com a avó, em Campinas. Em resumo, ambos trabalham, ficam fora o dia inteiro e, quando chegam em casa, mal trocam de roupa e vão para a academia, malhar. Passam lá duas a três horas e depois cada um estica com os amigos para um lado. Nos fins de semana, também fazem seus programas e dizem que é legal a filha fazer os dela. A menina diz que só tem a empregada para 'resumir a semana' (conversar) porque a galera não quer falar disso. Achando-se feia, não quer ficar com ninguém e assim, quando sai, bebe tudo o que tem direito. A mãe só abre a boca para dizer que ela é relaxada, está gorda e com a pela feia e faz comparações com sua própria figura, segundo a menina superbem e com um shape invejável. O pai, que as amigas dela paqueram, é um gato. 'Mas nunca se interessa por nada meu e quando tá em casa dorme ou fica na internet'. O texto do e-mal é longo, mas lá pelas tantas ela diz: 'ontem fui na casa de uma colega do colégio, estudar, e a mãe dela fez bolo de chocolate e suco prá gente e me beijou, cara, coisa raríssima lá em casa. Olhei para ela, vi o jeito de tratar a gente e desejei muito ter uma mãe gordinha assim, sem ser liberalzona, que me controle, não me deixe chegar de madrugada e brigue comigo, mas que se interesse pela minha vida, cara, não deixe eu fazer o que quiser, me dê amor, pô! Não quero só uma mãe e um pai bonitos!' Não soube ainda o que responder-lhe. Preciso explicar-lhe que não se trata de ser gordo ou magro, bonito ou feio, mas de uma carência sem fim. É um duro e amargo relato do momento em que vivemos.


segunda-feira, 3 de setembro de 2012

A idade certa para ser mãe!

Quando ser mãe
Newton Eduardo Busso*


Nos países desenvolvidos está aumentando o número de mulheres que vem adiando para etapas mais tardias de suas vidas a decisão de ter o primeiro filho. O Brasil também começa a viver essa tendência, especialmente entre a população de classe média.
Os métodos contraceptivos hoje absolutamente confiáveis, como a pílula anticoncepcional, já há quase quatro décadas vêm mudando radicalmente o comportamento sexual feminino, propiciando independência em termos de prevenção da gravidez não desejada, o que antes era possível somente com a participação efetiva do homem.
Com o domínio da concepção as mulheres assumiram nova postura na sociedade, saindo do lar e entrando no mercado de trabalho. Assim, tornaram-se "independentes e emancipadas" sob os pontos de vista sexual e financeiro, mudando suas prioridades quando comparamos as mulheres do final do século passado e início do século 21 com as de gerações anteriores, cujo horizonte restringia-se, na maioria das vezes, a casar e ter filhos mal saídas da adolescência.
Esta nova postura não significa que as mulheres não queiram mais casar nem ter filhos, mas sim que essa decisão vem sendo postergada pelos mais variados motivos, dentre os quais se destacam a prioridade pela formação profissional e acadêmica, viagens e independência financeira, dentre outros.
Se por um lado esses motivos são absolutamente compreensíveis, por outro os estudos mostram que as chances de gestação diminuem com a idade, em decorrência de problemas ginecológicos inúmeros, como cistos, miomas, infecções e endometriose, além de fatores decorrentes da própria idade, pois os óvulos perdem a capacidade de gerar bons embriões com o tempo. Evidentemente que cada mulher, com seu livre arbítrio, tem sua razão individual para adiar a gravidez, mas é preciso levar em conta as complicações decorrentes do tempo.
O aprimoramento das técnicas de reprodução assistida e a introdução de novos e modernos tratamentos podem transmitir a falsa sensação de que a infertilidade conjugal é um problema de fácil solução. Nesse aspecto, entretanto, ainda é melhor prevenir do que remediar, uma vez que os tratamentos podem ser longos, caros e, por vezes, mal sucedidos.
A idade recomendável para se ter um filho de maneira a garantir que a gestação ocorra com mais facilidade e maiores chances de sucesso ainda é até os 35 anos de idade. Para isso, é necessário planejamento. Se o casal tem como objetivo constituir família com filhos, deve-se priorizar este projeto a fim de evitar problemas futuros e não deixá-lo por último, depois da carreira e da viagem para a Europa, por exemplo. A opção por atrasar a chegada do bebê pode ser irreversível, mas a carreira e a viagem com certeza não o são.
Devemos recordar, ainda, o que a mídia mostra com absoluta irresponsabilidade, respaldada pela propaganda por vezes enganosa de que é possível engravidar quando quiser e com a idade que bem entender. Acompanhamos com certa preocupação a divulgação de verdadeiros "milagres", como a possibilidade real e imediata de congelar óvulos hoje e conseguir a gestação com facilidade daqui há alguns anos, sem, no entanto, deixar claro as reais taxas de gravidez obtidas por esse método.
Esses e outros aspectos devem ser objeto de avaliação por parte da mulher que pretende constituir família. Nesse sentido, torna-se fundamental que ela procure ter orientações claras e precisas de seu ginecologista, especialmente quando tiver que decidir prioridades em suas vidas, entre elas a de quando ser mãe. Vale lembrar que a mesma ciência que contribuiu de modo fundamental e eficaz no controle da fertilidade ainda não oferece as mesmas chances no tratamento da infertilidade.


*Newton Eduardo Busso é médico ginecologista, especialista em infertilidade conjugal e secretário geral da 19ª Jornada de Obstetrícia e Ginecologia da Santa Casa de São Paulo

Essas crianças...

Desde que tive meu filho Pedro penso em escrever. Não apenas algo para as mães mas compartilhar com todos as alegrias, sustos, tristezas, emoções e até os momentos de raiva que todos os pais passam com seus filhos.
Cada filho é único, não dá para generalizar. Mas existem coisas que toda criança faz, sem exceções...quem tem filho vai se identificar, quem pensa em ter filhos...vai se surpreender!

Além disso, quem é de Sorocaba e região poderá conferir, aqui, dicas de passeios, programação cultural e outras atividades voltadas para a família, conferidas e recomendadas por mim.