Páginas

sábado, 11 de dezembro de 2010

As girafas comem nuvens!

Conversa de hoje à mesa, na hora do lanche, a respeito do zoológico de Sorocaba (que não tem girafas!):
- As girafas têm o pescoço longo!, comentou o Pedro, esticando as mãos para o alto.
- Têm mesmo!, afirmei.
- Elas vão até o céu e comem nuvens!, exclamou meu pequeno.
- Nossa, eu não sabia que as girafas comiam nuvens! Que gosto será que têm as nuvens? Algodão-doce?, perguntei, inocentemente.
- Têm gosto de chuva!, afirmou o Pedro.

Acabou a conversa...não tive como discordar.
Faz todo o sentido!

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Natal em Sorocaba!

Dicas de passeio para esse Natal em Sorocaba.
Eventos gratuitos.


PROGRAMAÇÃO DE NATAL EM SOROCABA*:

Cantatas, corais, shows, iluminações e concursos de decorações natalinas serão algumas atrações gratuitas programadas para este Natal. As atividades têm início nesta 2ª feira (6) e prosseguirão até o próximo dia 22. O evento “Cantatas de Natal nos Bairros” levará música e espírito natalino para 16 lugares, enquanto a Praça Coronel Fernando Prestes sediará 34 apresentações do projeto “Natal na Praça”. A Estação Ferroviária terá a “Cantata de Natal na Estação” e a Catedral Metropolitana de Sorocaba receberá o “Natal Iluminado”: um concerto natalino da Sinfônica Heliópolis e o Coral da Gente, do Instituto Baccarelli.

O projeto Cantatas de Natal nos Bairros começa hoje, às 19h, no bairro Ana Paula Eleutério, onde os corais “Mais Cultura” e da Escola Municipal “Walter Carreteiro” apresentam-se na Oficina do Saber. As cantatas estão programadas até o próximo sábado, dia 11, e depois vão da segunda (13) até dia 18, e do dia 20 até 23. A iniciativa ocorrerá nos bairros do Éden, Central Parque, Ipiranga, Vitória Régia, Santa Bárbara, Vila Angélica, Vila Helena, São Bento, Vila Haro, Nova Esperança, Vila Formosa, Nova Sorocaba, Pinheiros, Jardim São Paulo e Santa Rosália.

Dia 06/12, às 19h30, e nas segundas-feiras dias 13 e 20 a Igreja Matriz, na praça central, sedia a Cantata de Natal da Catedral. Já no Largo de São Bento, às 20h30, a Cantata no Mosteiro será nas próximas quinta, sexta e sábado. O Concurso de Decoração Natalina “Natal de Luzes” inscreve até a próxima sexta nas categorias Residencial, Comercial e Ruas Residenciais. As inscrições devem ser feitas na Secretaria da Cultura e Lazer. O regulamento está no site www.sorocaba.sp.gov.br. O e-mail para inscrição é o secult@sorocaba.sp.gov.br.

Natal na Praça

A partir de 07/12 e até o próximo dia 13, a praça Coronel Fernando Prestes terá shows do projeto “Natal na Praça”. Serão 34 apresentações com a participação de 1.050 pessoas nos períodos da tarde e da noite. A abertura será às 11h, pela Banda Regimental de Música da Polícia Militar. Participam também a corporação musical “Francisco Dimas de Melo” e a “Carlos Gomes”; às 16h30, o Auto de Natal com a Trupe Koskowisck; às 19h o Grupo de Choro “Entre Amigos”; e às 20h30 o Coral Adulto do Programa “Mais Cultura”, pelo maestro Jonicler Real.

Na quarta, 08/12, às 16h30, a banda “Carlos Gomes”; às 19h, o Auto de Natal dos Clowns, pelo Grupo Os Trukeiros; e às 20h30, a Banda Marcial Municipal de Sorocaba. Quinta, às 16h30 a corporação “Francisco Dimas de Melo”; e às 19h, Teatro - Espetáculo: “Um moço que casou com uma mulher braba”, pela Trupe Koskowisck. Sexta, às 16h30, o Grupo de Choro “Entre Amigos”; e às 19h, o Coral Anjos de Maria da Comunidade Nossa Senhora de Lourdes. Sábado, às 10h30 o Grupo de Dança, com alunos da EM “José Mendes”; e às 14h30 apresentações natalinas da Associação Comercial de Sorocaba.


*matéria retirada do Jornal Cruzeiro do Sul.


quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Os animais não falam!

Eu bem que mereci.

No Zoo de Sorocaba, um lugar muito lindo, eu fui corrigida por meu filho.
Estávamos vendo o urso, pela primeira vez, através do vidro onde ele fica. Já fomos ao Zoo diversas vezes e nunca havíamos conseguido ver o urso acordado.
Tirei foto dos meninos com o urso ao fundo; falei para o Pedro olhar para mim. Disse também:
- Urso, olha prá cá! Diga "xis"!
O Pedro, no meio de todo mundo, olhou para mim e disse:
- Ele não fala mãe; ele é um animal!

Certo, eu poderia ter ido embora sem essa...
Esse Pedro!

O urso, que não disse "xis".


sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Você mora em meu coração!

Aconteceu numa tarde dessas, na sala de minha casa, aqui mesmo em Sorocaba:

Uma vizinha, de nossa rua, veio em casa conversar comigo...o Pedro já havia chegado da escolinha. Ele gosta de visitas e de mostrar todos os seus brinquedos a elas. Num certo momento, a vizinha olha para o Pedro e diz:
- Pedro, sabia que você mora em meu coração?
O Pedro levou um susto, arregalou os olhos e disse com muita propriedade:
- Não! Só o Papai-do-céu mora nos corações, né mãe?!
Confirmei que sim, só o Papai-do-céu. Expliquei que a tia disse que gosta tanto dele que até parece que ele mora no coração dela!
- Mas as pessoas não moram em corações, moram em casas!, insistiu o Pedro.
O nosso argumento não convenceu. Tivemos que mudar de assunto!
Esse Pedro!

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Sling...você já viu ou ouviu falar?

Carregar o bebê pode ser algo cansativo quando estamos sem o carrinho; há lugares onde é praticamente impossível entrar de carrinho ou carregá-lo se não tivermos carro. Ir á padaria, pegar ônibus e pequenos passeios, que durante a gravidez eram simples de serem feitos, agora são bem complicados e até exaustivos pelo fato de termos de carregar o bebê junto.
Sempre vi slings e outros carregadores de bebês mas optei (com o primeiro filho) a usar o bom e velho canguru depois dos 04 primeiros meses de vida dele. No segundo filho, fiquei pensando na logística quando tivesse que sair de casa e fazer uma dessas coisas que escrevi acima. Como eu subiria em um ônibus, por exemplo, com uma criança, um bebê, uma sacola com fraldas etc.? Por meses pensei em adquirir um sling que pode ser usado logo na primeira semana de vida do bebê. Conversei com meu esposo e resolvi pesquisar: olhava nas lojas, revistas, sites, blogs...até que comprei. No início foi complicado porque a gente quer acertar na primeira não é mesmo? Mas, com persistência e paciência, consegui. Gosto bastante e o bebê dorme assim que o coloco no sling!
Como com a coleira ouço muitos comentários e críticas a respeito, como: "tadinho, tá apertadinho!", "não machuca a perninha dele?", "ai, que dó!", "olha o neném, judiação!" e outras frases do mesmo gênero. O fato é que, se você usar na posição correta e da forma que é indicado para a idade de seu filho não haverá problema algum para a coluna dele. Deve haver o bom senso da parte dos pais!

Veja esse site e confira tipos de carregadores de pano e vídeos que ensinam a usá-los de forma correta.

Olha o João dormindo bem gostoso no sling!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Ler é muito bom!

Se você precisava de incentivo para começar a ter livros em casa
e ler para seus filhos,
essa oportunidade é para você!


A partir de 11 de outubro, o Itaú vai distribuir gratuitamente 8 milhões de livros, porque acredita que incentivar o gosto pela leitura é um bom caminho para o desenvolvimento completo das crianças e fundamental para o crescimento do país.
A Coleção Itaú de Livros Infantis é feita de quatro volumes, para você ler e reler com seus filhos, sobrinhos, netos ou alunos. Você assume o compromisso de ler um livro para uma criança e de repassar esse livro para outra pessoa fazer o mesmo. Assim, você cria um hábito que pode contribuir para que a criança escreva a sua própria história.
Para pedir seus livros e fazer a sua parte nesta história, é só preencher o cadastro e recebê-los na sua casa, em qualquer lugar do Brasil."
Entre no site para conhecer o projeto, faça o cadastro para receber a Coleção Itaú de Livros Infantis.

Passe a dica para outras pessoas!

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

É o Geraldo, né pai?

Numa noite dessas em que passava o "horário político", o Pedro apontou para uma pessoa na TV e perguntou:
- Quem é esse, pai?
- O nome dele é Geraldo, filho. Tratava-se do então candidato a governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin.
Passados uns dois dias o Pedro, vendo o pai lavar a louça, apontou para a embalagem de detergente e, com uma excelente associação, perguntou:
- É o Geraldo, né pai?

Não era o Geraldo na foto...mas, sabe que parece?!



O vento...

Aconteceu na escolinha do Pedro, no maternal:

Uma das crianças jogou um brinquedo no chão; a "tia", percebeu e disse:
- Olha, caiu seu brinquedo né?!, para ver a reação da criança.
A criança, no entanto, respondeu:
- Foi "o vento", tia!
- O vento não iria derrubar o brinquedo no chão, disse a tia.
Outra criança, ouvindo tudo, se apressou em defender o amiguinho:
- Mas, tia, vento derruba até árvore!

Essas crianças!


sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Ensine seu filho a comer verduras e legumes!

Clique na tirinha e veja inteira:

Queridas mamães,
Sei que a técnica usada por uma pode não funcionar com a outra, mas uma coisa é certa: incentivar as crianças a comerem bem (dando exemplo, lógico) é dever de todas!
Com o Pedro, descobri que devo incentivá-lo a partir de algo que ele gosta muito: ALHO! Isso mesmo. Ele adora alho na comida e fica me questionando quando não "enxerga" o alho na comida porque ele quer alho inteiro! Não sei se esse gosto veio já do ventre (pois adoramos alho em casa) e ficou na memória dele ou se ele desenvolveu o gosto por si próprio depois de nascer, mas uma coisa é certa...tem que ter alho e muito!
Quando quero que ele coma brócolis, couve, abobrinha etc., digo que tem alho. E ele come.
Lógico que a gente diz as vantagens de se comer vegetais etc., mas só isso nunca funcionou.
Como toda criança, ele aponta para o "verde" no prato e diz (com a boca torta):
- Que é isso, mãe?
- Couve...com bastante alho!, digo eu.
Então, meu menino, para orgulho da mamãe, come tudo sem cerimônia.
E você? Como faz seus filhos comerem legumes e verduras?

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Clique no quadrinho e divirta-se.

Por que?

Os porquês do Pedro...

- Por que o João só chora?
- Por que os desenhos e os programas acabam?
- Porque eu tenho que comer cenoura?
- Por que você jogou fora as flores? Você que tirou elas da terra, mãe?
- Por que eu tenho que ir no médico?
- Por que não pode comer muito chocolate?
- Por que eu tenho que ir dormir, mãe?
- Por que tem que tirar o pijama?
- Por que não pode chupar o dedo? Eu gosto!

E por aí vai...

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Eu sou o caso deles - Novos Baianos




EU SOU O CASO DELES

Novos Baianos
Composição: Morais/ Galvão

Minha velha é louca por mim
Só porque eu sou assim
Meu pai, por sua vez
Se liga na minha
E nos "butecos" onde passa
Não dá outro papo

Eu sou o caso deles
Sou eu que esquento a vida deles
No fundo, no fundo
Coloco os velhos no mundo
Boto na realidade
Mostro a eternidade
Senão eles pensavam
Que tudo era "divino maravilhoso"
Levavam tudo na esportiva
Ficavam contanto com a sorte
E não se conformariam com a morte

Minha velha é louca por mim
Só porque eu sou assim!

Lei da Palmada II.

Lei da Palmada: antes de proibir é preciso informar

Se o governo quer contribuir na educação que um pai dá a seu filho então que o faça de maneira certa.

Por Mariliz Vargas

Este novo projeto de lei, que proíbe palmadas, beliscões e outros castigos físicos aplicados às crianças, é a princípio positiva, por levantar a questão a respeito dos meios que utilizamos para educar nossas crianças. O tema nos obriga a refletir sobre os métodos ditos educativos. O que leva um pai a bater numa criança? A palmada realmente tem função educativa ou coloca-se como manifestação de desequilíbrio de um adulto perante uma manifestação infantil? A palmada é, sem dúvida, uma forma de comunicação muito eficiente, que mostra no nível físico aquilo que não se conseguiu comunicar em qualquer outro nível. Mas tudo tem dois lados, e é preciso analisar todos os lados da questão para não corrermos o risco de medidas superficiais.

Esta é uma lei de proteção ao menor, que é naturalmente desfavorecido fisicamente, e por isso vitima fácil de abuso. Não é uma lei que proíbe que se eduque uma criança, mas tenta, através da ameaça de punição, segurar a mão de um pai que se lança em direção a uma criança, com todo o peso da sua posição de adulto.

Sabemos que o ideal não é agredir de maneira alguma, seja lá quem for, mas devido à complexidade da tarefa de educar uma criança, muitas vezes nos vemos sem alternativa. A ciência não nos oferece pistas confiáveis de qual melhor caminho a tomar, e muitas vezes parece mais confundir do que esclarecer. A tradição recomenda a palmada. A psicologia prescreve o diálogo, mas não fornece meios concretos para aplicar suas propostas na prática cotidiana. E o governo chega e impõe a sua lei. Agredir fisicamente não pode. Mas agredir verbalmente, que muitas vezes causa um dano ainda maior naquele pequeno ser, parece que continua valendo.

O fato é que esta lei nos exige mais empenho neste ato sagrado que é educar uma criança. Ele nos alerta do perigo do movimento fácil, irrefletido e irresponsável. Mas a tal lei pode escancarar a brecha da permissividade, retirando das mãos de um pai e de uma mãe, o poder de manifestar fisicamente aquilo que verbalmente nem sempre é eficiente.

Se o governo quer contribuir na educação que um pai dá a seu filho então que o faça de maneira certa. Ofereça a ele meios alternativos a este da palmada, informe este pai de algo que realmente o ajude, no mesmo ato que o informa de que ele está proibido de praticar a palmada. Podemos até concordar com a proibição deste gesto agressivo, mas o que poderá ser feito com uma criança que precisa ser contida?

Esta lei poderá agravar ainda mais este quadro. Não irá coibir os pais doentiamente violentos, assim como nenhuma lei coíbe o crime quando a intenção da pessoa é cometer o delito. Irá coibir aquele pai consciente, aquele que seguramente não cometeria extremos de violência contra seu filho. É justamente este pai que precisa ser informado dos seus direitos, de formas mais modernas e eficientes de lidar com seu filho, ou seja, de alternativas para a secular palmada.

Sobre a autora:

Mariliz Vargas é psicóloga, formada pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Trabalha com Psicoterapia há mais de 20 anos. Ministra cursos e palestras sobre temas relacionados ao aprimoramento humano na busca por uma vida mais rica e feliz. Autora de inúmeros artigos publicados no jornal paranaense Gazeta do Povo, suplemento Viver Bem, e atualmente veiculados através da internet. Recentemente, Mariliz lançou os livros 'A Sabedoria do Não' e 'Você É Mais Forte Que a Dor', pela editora Rosea Nigrea.

Matéria retirada do site da Revista ZN.


sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Lei da Palmada.

Recente e polêmica.
Leia a matéria que saiu no site do yahoo e comente.
Ainda vamos falar muito sobre isso aqui no blog!

Para educar, é preciso ter paciência

Por Cristiana Vieira

É o fim dos tempos da palmada. Pelo menos é o que promete o tão comentado projeto de lei que coíbe a prática do castigo físico, homenageando os 20 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A medida vem garantir ao menor de idade o direito de ser educado sem o uso de castigos corporais por parte dos pais ou responsáveis. "Quando o adulto bate, não está educando. Interrompe um comportamento errado, porque não conseguiu resolver o problema de outra maneira", explica a educadora Cris Poli, a SuperNanny, do SBT.

Na visão da experiente Cris, educar requer muita paciência e pode ser muito mais saudável e divertido do que se pensa. Para ela, qualquer intensidade da palmada significa agressão. Quando os pais estão estressados e querem resolver um problema rapidamente, apelam para o tapa. A criança que apanha só para de agir porque dói, o que não quer dizer que vai mudar de comportamento. "A educação é um processo consciente, e visa à formação do indivíduo", explica.

Mãe de três filhos e avó de quatro netos, Cris Poli está há quatro anos à frente do programa de TV semanal, onde já atendeu mais de 90 mil famílias. Diz que, nesses anos, encontrou muitos pais desestruturados emocionalmente . Então, os ajuda a organizarem uma rotina, a imporem regras claras e a associá-las ao "cantinho da disciplina" (um lugar para os pequenos ficarem de castigo).

Diz que, primeiro, os pais têm de estabelecer uma rotina, discutir o que está errado, mostrar como gostariam que fosse e, finalmente, definir a regra e fazer o filho entender e aceitar aquele acordo. "A criança tem de saber que é uma decisão dela obedecer à regra e que, quando desobedecer, terá consequência, que pode ser ficar de castigo no tapete, na cadeira, no degrau...", ensina. O tempo indicado para o castigo corresponde a um minuto por cada ano de idade, pois a criança não vai raciocinar por mais do que esse tempo. Quando acabar o castigo, é importante que se estabeleça um diálogo com carinho: "você está aqui porque aconteceu isso, mas eu amo você", e o adulto dá um beijo no pequeno.

Em compensação, quando a criança se comporta e obedece, deve haver um reconhecimento pelo esforço. Afinal, obedecer a regras não é fácil nem para o adulto. Também é importante que as normas sejam claras e concretas, para evitar o comportamento aleatório dos pais. Ou seja, evitar que, quando estiverem de bom humor, relaxem o castigo, ou quando estiverem mal humorados, sejam mais severos. Para Cris, o comportamento dos pais é norteado por outro fator: se foram agredidos na infância, vão usar a mesma metodologia com os filhos.

Em relação à lei, a educadora lembra que há outros tipos de violência que não deixam marcas na pele, como a agressão psicológica, que afeta a autoestima e deixa marcas para o resto da vida. Cris escuta muitos pais dizerem que não têm paciência. Mas alerta: "para ser pai ou mãe, tem de ter paciência!"

Sentimento de culpa - A lojista Maria Valdirene da Silva tem uma filha de 31 e outra de 20 anos. Orgulha-se por nunca ter recorrido à palmada para repreendê-las, embora admita que a mais nova até que já mereceu. "Sempre contava um, dois e três. Conversava tanto que me tornava chata. Tenho uma paciência de Jó." Val, como é conhecida, diz que foi criada sem castigo físico e que a única vez que apanhou foi da avó, com uma varetinha que nem doeu. Mas toda vez que a avó, que morreu aos 75 anos, lembrava daquela cena, caía no choro de tanto arrependimento. "Eu não queria bater para não ficar com aquilo me corroendo pelo resto da vida."

Mãe de Victor, de 5 anos, e de André, de 10 meses, a advogada Samanta Vaz Prado da Costa, de 35 anos, lembra que, quando criança, bastava um olhar de reprovação da sua mãe para ela entender que tinha feito algo de errado, e tremia de medo de apanhar. Lamenta que hoje em dia vê muitas crianças desrespeitarem a autoridade de pais e professores. "A palmada pode ser usada ao menos para amedrontá-los." Seu filho Victor, diz, é um doce. Mas está numa fase levada. E com a chegada do irmão, ficou enciumado. Quando ele apronta, para não bater, Samanta ameaça 50 vezes. Se precisar, confessa, dá uma palmada, mas não para machucar, ou o coloca de castigo.

Para a mãe e advogada, a lei deveria ser mais explícita. Pois não dá para comparar uma palmada com os casos apavorantes de espancamento. E vai mais longe: diz que deveria ter lei contra alunos que desrespeitam seus professores.

Outra mãe que recorre à palmada, mas só quando as filhas começam a brigar, é a assistente administrava Cláudia Regina Lopes Bergamini. Laura, a caçula de 1 ano e 9 meses, é a mais sapeca. Ela e Carolina, de 3 anos e meio, têm muitos, mas muitos brinquedos. Basta uma das duas escolher qualquer um deles para a disputa começar. A mãe coloca as duas de castigo e pede para pensarem na coisa feia que estão fazendo. "Se uma não obedece, a outra vai no embalo e faz o mesmo. Aí não tem jeito", justifica ela.

A psicóloga Mariana Taliba Chalfon acredita que não é necessário educar uma criança com palmada, mas acha que a lei só amedronta pais que não cometem maus tratos, pois os que já o fazem vão continuar usando a mesma metodologia. "O ideal seria haver um trabalho de conscientização desde o pré-natal."

Mariana acredita que a opção à palmada é o castigo, que funciona principalmente quando tem relação com um comportamento específico. Exemplo: se o filho está brigando para não almoçar, a mãe tem de deixá-lo sem o lanche da tarde. "Tirar o que gosta ajuda. Mas quando o problema da criança é não fazer a refeição, tirar o computador não vai surtir efeito."

Outro exemplo: quando o pequeno se comportar mal durante um evento social, é interessante explicar que naquele lugar as pessoas sabem se portar e aí dizer que ele vai ficar isolado por um instante até se acalmar. "Quando voltar, provavelmente ele vai repetir o comportamento. Aí, a mãe vai repetindo o castigo até a criança parar. Tem de ter paciência", avisa.

NOVA LEI - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encaminhou para o Congresso Nacional o projeto de lei que coíbe a prática do castigo físico. Para se tornar lei, ainda tem de ser aprovado pelo Legislativo e voltar para a sanção do presidente, o que só deve acontecer em 2011, por conta do recesso eleitoral.

O foco da medida é garantir ao menor de idade o direito de ser educado sem o uso de castigos corporais por parte dos pais ou responsáveis. Hoje, o ECA (Lei 8.069) condena maus tratos contra a criança e o adolescente, mas não define se os maus tratos seriam físicos ou morais.

O artigo 18 da nova lei define "castigo corporal" como "ação de natureza disciplinar ou punitiva com o uso da força física, que resulte em dor ou lesão à criança ou adolescente." Para configurar a agressão, é necessário que haja testemunhas. A pena para os infratores é advertência, encaminhamento para programas de proteção à família e para tratamento psicológico.


quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Dica de passeio na capital paulista.

Leve suas crianças:


A XIV Edição do Revelando São Paulo – Festival da Cultura Paulista Tradicional, que neste ano acontece em um novo cenário: o Parque do Trote / Mart Center, na Vila Guilherme, traz mais de 300 grupos artísticos e folclóricos, 240 espaços de culinária, artesanato e rancho tropeiro reunidos para um grande encontro da cultura paulista. Durante os dias do evento, os visitantes poderão fazer passeios nos carros de bois e charretes nos cerca de 250 cavalos e muares.

Com poucos passos os visitantes poderão conhecer os municípios, a culinária característica de cada um e o artesanato identitário, além de provar os sabores dos quitutes que acompanham as histórias da vovó como broas de milhos, doces de todas as cores, frutas e cheiros, bolinhos caipiras de farinha de milho, mandioca com recheios diversos, café torrado e moído na hora, feijão tropeiro, galinhada, afogados, virados e pratos diferentes como a Comida de Lobisomem de Joanópolis, o feijão Guandu de Piedade, a Tainha de Bom Jesus de Iguape entre outros. Basta apenas conferir!


Com a realização do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura, a décima quarta edição do Revelando São Paulo - Festival da Cultura Paulista Tradicional contempla a herança e identidade cultural oriundas de 200 municípios do Estado no período de 10 a 19 de setembro. Desta vez, o evento terá um novo cenário: o Parque do Trote/Mart Center, na Vila Guilherme, Zona Norte da capital paulista.


SERVIÇO
Data: 10 a 19 de setembro de 2010
Horário: das 09h às 22h - ENTRADA GRATUITA

Local: Parque Vila Guilherme/Trote e Mart Center
Endereço: Avenida Nadir Dias de Figueiredo s/n – Vila Guilherme

Acompanhe pelo twitter: http://twitter.com/revelandosp

No site da Abaçai, você encontra a programação detalhada, linhas de ônibus partindo dos metrôs Santana e Carandiru. Haverá traslado de trenzinho entre o evento e o metrô.


Sexta - 10 de Setembro
IX Em Torno da Mesa Paulista Tradicional
X Rancho tropeiro – Abertura

Sábado - 11 de Setembro
III Encontro de Orquestras de Viola
X Festival da Amizade - Previsão de 30 grupos das comunidades étnicas de São Paulo

Domingo - 12 de Setembro
Cerimônia da Paz - Por uma Década de Cultura de Paz - Memorial da América Latina
Início da Cerimônia Transreligiosa - O Sagrado na Metrópole IX Festival da Amizade – Continuação Chegada da Imagem Peregrina de Nossa Senhora Aparecida

Segunda - 13 de Setembro
Tarde das Serestas
XII Encontro das manifestações cosmopolitas

Terça - 14 de Setembro
III Encontro de Bandas e Fanfarras
XII Encontro das manifestações cosmopolitas – Continuação

Quarta - 15 de Setembro
X Encontro de Violeiros
XI Encontro de Sanfoneiros

Quinta - 16 de Setembro
XI Encontro de Catira
XII Encontro de São Gonçalo VIII Encontro de Adoradores da Santa Cruz IV Encontro de Fandango II Cururu

Sexta - 17 de Setembro
Encontro de Quadrilhas
IX Noite de São João

Sábado - 18 de Setembro
XVII Festival de Bonecos de Rua e Cabeções
XI Reiada (Encontro de Folias de Reis) XI Festa de Cosme e Damião Corrida de Cavalhadas IX Noite dos Tambores

Domingo - 19 de Setembro
Corrida de Cavalhada
XI Encontro de caminheiros
XIII Encontro de Romeiros
XII Congado Paulista
Despedida da Imagem Peregrina de Nossa Senhora Aparecida


sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Ensinando bons modos.

Meu Pedro é um cavalheiro.
A educação faz parte do dia a dia dele há tempo.
Por favor, obrigado e com licença são palavras comuns no vasto vocabulário do meu pequeno. Caso duas pessoas estejam conversando e ele queira falar...sai um "com licença"; se ele quer algo..."por favor"; se é atendido..."obrigado". Só anda na rua de mãos dadas, tira o tênis antes de entrar em casa, lava as mãos assim que chega da rua, faz suas orações antes das refeições, joga o lixo "no lixo" etc. Tudo isso, lógico, ele aprendeu depois de muita insistência, massificação auditiva e exemplo da parte dos pais.
Bom, a gente também erra! Ontem mesmo estávamos todos à mesa durante o café da manhã e sem querer fiz um comentário com meu esposo "com a boca cheia". Foi o suficiente para eu ouvir:
- Mãe, não fala de boca cheia! Pode engasgar!
Tive que me desculpar com todos e dizer que eu havia feito sem querer e sem perceber mas que ele estava certíssimo: se ficar falando de boca cheia, além de ser feio, pode engasgar mesmo.
Outro dia ele me ajudou com algo e eu agradeci, dizendo "obrigado Pedro". Ops...o radarzinho dele estava ligado e ele logo detectou um erro e me corrigiu:
- "Mãe, você falou errado! Você é menina, você fala obrigada!"

Ai, minha cara! Verdade, meninas falam obrigada.
Criei um monstrinho!
Esse Pedro...

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Alimentação Infantil.

Mães não alimentam bebês

corretamente no Brasil

Estudo da Unifesp aponta que a maioria amamenta pouco e dá alimentos inadequados às crianças

Por Samantha Melo, filha de Sandra e Tião
Você sabia que a maioria das mães não sabe alimentar os seus bebês corretamente? É o que diz uma pesquisa feita pela Universidade Federal de São Paulo, a Unifesp, recentemente. No total, foram avaliadas as refeições de quase 200 crianças com idades entre quatro e 12 meses, e constatou-se um dado alarmante: a metade deles já não mamava no peito.

Até os seis meses de vida, é recomendado o aleitamento materno exclusivo, a gente sabe. Depois, as mães podem complementar a alimentação com sopas, papinhas e uma solução à base de leite. Mas a pesquisa analisou que o número de mães que sabem preparar essa solução à base de leite adequadamente para a idade, é muito pequeno. Apenas 23% das mamães que participaram do estudo seguiam corretamente as instruções da embalagem, que indica uma colher do produto para cada 30 ml de água. Quando a proporção não está na medida certa, há risco de desidratação, diarréia e desnutrição.

O leite materno possui uma quantidade de ferro muito maior do que o leite da vaca, e a sua substituição total no primeiro ano de vida pode causar alergias, anemia e comprometer o desenvolvimento cognitivo e emocional do bebê. Por isso, a situação da alimentação das crianças brasileiras é preocupante. A idade média da introdução da mamadeira foi de três meses, e açúcar, achocolatados e cereais invariavelmente são adicionados ao leite, comprometendo a alimentação saudável dos pequenos.

GERAÇÃO “COCA-COLA”
Mas a pesquisa não se restringiu apenas à dieta dos bebês. O regime alimentar de crianças um pouco maiores também foi analisado. E o resultado não foi nada positivo. De acordo com os pesquisadores da Unifesp, os pequenos têm recebido cada vez mais cedo alimentos inadequados, como doces, biscoitos recheados, salgadinhos e refrigerantes. E, claro, cada vez menos frutas, legumes e verduras. Não é só a falta de nutrientes desses alimentos que é perigosa, o risco de obesidade é algo que também assusta. Alarmante, não?

O QUE FAZER?
Você não precisa deixar seu filho com vontade daquela bolacha que ele viu o coleguinha da creche comer, mas por que não negociar? Um almoço saudável pode ser trocado por uma quantidade moderada de salgadinho no lanche da tarde. Quanto aos refrigerantes, a melhor alternativa é acostumá-lo desde cedo com os sucos, e restringir a bebida gasosa aos finais de semana. E se o seu filho tem menos de seis meses, não caia no erro de que o leite materno não é suficiente, porque ele é e muito.

E, depois disso, siga as orientações do pediatra quanto a melhor forma de complementar a alimentação do seu bebê de forma saudável e adequada à idade.
Revista Pais & Filhos.



Esse é o meu Pedro comendo brócolis com alho, direto da panela.
Ah! Esse Pedro!

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Finalmente...nasceu! Relato de um parto cesárea.

Recebi meu João.
Foi num parto cesárea, infelizmente, mas o tenho agora em meus braços e isso é o que realmente importa.
Depois de uma trombose inesperada após o chá de bebê, fiquei em repouso absoluto por 10 dias e em repouso parcial até o nascimento; sentindo dores e já informada da impossibilidade de um parto normal diante daquele quadro. Muito triste. O Pedro já havia nascido de parto cesárea após 41 semanas aguardando pacientemente sua chegada, sem contrações nem dilatação. Pensei que, enfim, teria meu sonho de parto natural realizado com a vinda do João, mas a história foi bem diferente...Deus, em Sua infinita sabedoria, sabe como faz as coisas e é sempre visando nosso bem.
Após marcar 03 vezes a cirurgia, pois tudo dependia de minha melhora com a trombose, finalmente minha médica marcou: 04/08/2010 às 13h!
Nossa! Agora sim a emoção bateu! Agora temos uma data! Fim do meu sofrimento.
Bom, meu pai se dispôs a sair do Embu das Artes, onde mora, e vir até nós em Sorocaba para levar-nos à capital onde eu teria o João, na Pró Matre Paulista a mesma maternidade onde o Pedro havia nascido.
Fomos, um enorme trânsito nos aguardava na entrada da cidade...ê São Paulo: havia me esquecido de como a cidade é intransitável a qualquer hora do dia!
Chegamos por volta das 10h30min, não havia quarto! Esperamos e nada. Ficamos lá, plantados com as nossas mães e o Pedro junto pois eu queria que ele tivesse a oportunidade de assitir ao parto da janelinha num espaço novo chamado de Espaço Vida.
Fui direto ao Centro Cirúrgico por volta das 13h, sem quarto. Enquanto isso, meu marido foi se vestir para ficar comigo e as avós, minha amiga e o Pedro foram levados a um corredor em frente a uma janela esbranquiçada que se tornaria semitransparente minutos antes do nascimento.
Fui deitada na maca e fiquei aguardando minha médica, o auxiliar e o anestesista.
Enfim, entraram todos; o auxiliar de minha médica era o mesmo médico que a havia ajudado a fazer o parto do Pedro...ai, que alívio! A mesma dupla, que segurança que me deu...segurança que foi aumentada com a entrada de meu marido no Centro Cirúrgico logo no início de tudo.
Em poucos minutos ouvi um chorinho delicioso e vi o rosto do Pedro, olhando atentamente e com um enorme sorriso ao ver o irmão nascendo!
Que sensação boa. Que maravilha ver a minha família ali, toda, durante esse momento.
Havia pouco líquido aminiótico, o João entraria em sofrimento se tivéssemos deixado para outro dia ou aguardado mais tempo como fiz com o Pedro. É o cuidado de Deus.
Apesar de ter sido o dia mais frio em São Paulo, o João nasceu.
Perfeito. Forte. Lindo! 10 e 10 no Teste de Apgar.
Bem vindo João Henrique!
Amamos você!

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Dinossauros...de novo!

Num dia desses, o Pedro, como sempre, pediu bolo de chocolate no "pote". Ok, peguei uma fatia e coloquei no pote. Minutos depois, vendo que o Pedro não havia saído (ainda) da mesa, fui até a cozinha inspecionar. Para a minha surpresa, o Pedro estava com o rosto "dentro" do pote, pegando o bolo com a boca e "rugindo" (se é que dinossauros rugem!).
- Pedro é assim que come, filho? Pode pegar o bolo com a boca desse jeito?
Bom, eu perguntei...então veio a resposta:
- É assim que os dragões (dinossauros) comem...!, disse ele, rugindo e enfiando a cabeça no pote para comer mais bolo...
Melhor não perguntar da próxima vez.

Dinossauro!

Uma homenagem ao Pedro, que, desde fevereiro deste ano,
se "transformou em um dinossauro"
e não se destransformou mais...quem conhece, sabe!


*********************clique na imagem para ampliar********************

quarta-feira, 23 de junho de 2010

João...

Estamos ansiosos pela sua chegada filho!
Amamos você.







Irmãos!

QUARTO NOVO
O Pedro já ama o irmãozinho João que está prestes a nascer...mas a idéia de compartilharem o mesmo quarto após o nascimento não agradou muito! Mudamos a cor das paredes, o papel de parede, montamos o berço...tudo foi quaestionado pelo pequeno Pedro que não viu com bons olhos a mudança no início. Parece que se acostumou à idéia, vamos ver depois...

NOME
Quando pensávamos num nome para o bebê, perguntávamos ao Pedro sua opinião: ele dizia que o irmão se chamaria "irmão" ou "Pedro" também. Quando decidimos por João Henrique, ele disse:
"- Esse nome é muito feio para o meu irmão!"

BRINCADEIRAS
Todas as brincadeiras do Pedro, hoje mais do que nunca, envolve família. Todos os brinquedos formam uma grande família: há o ônibus que é o papai, o carro que é o filho...até nas brincadeiras de dragões há um respeito muito grande pelos pais, com rebedia às vezes! Nosso dia a dia é repetido diversas vezes pelos brinquedos e o "irmão" está sempre presente!

E O DEPOIS...
Quero ver a reação do Pedro quando o João estiver do lado de fora! Vai ser bem diferente para ele pois o João ainda faz parte da imaginação...quando ele for "real" será bem interessante. O Pedro conversa e brinca com o "irmão" o tempo todo, mostra os brinquedos, inclui o irmão nas brincadeiras, dá muitos beijos. Imagino que esse carinho será para sempre e sei que o João deve também estar muito curioso para conhecer o Pedro, esse menino que fala o dia todo!

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Saudades do meu pequeno que está por vir...

Adriana Calcanhoto

Fico assim sem você


Avião sem asa,
fogueira sem brasa,
sou eu assim sem você.
Futebol sem bola,
Piu-piu sem Frajola,
sou eu assim sem você.

Por que é que tem que ser assim
se o meu desejo não tem fim.
Eu te quero a todo instante nem mil auto falantes
vão poder falar por mim.

Amor sem beijinho,
Bochecha sem Claudinho,
sou eu assim sem você.
Circo sem palhaço,
namoro sem amasso,
sou eu assim sem você

Tô louca pra te ver chegar,
Tô louca pra te ter nas mãos.
Deitar no teu abraço,
Retomar o pedaço que falta no meu coração.

Eu não existo longe de você
e a solidão é o meu pior castigo.
Eu conto as horas pra poder te ver
mas o relógio tá de mal comigo
Por quê?
Por quê?

Neném sem chupeta,
Romeu sem Julieta,
sou eu assim sem você.
Carro sem estrada,
queijo sem goiabada,
sou eu assim sem você

Por que é que tem que ser assim
se o meu desejo não tem fim.
Eu te quero a todo instante nem mil auto falantes
vão poder falar por mim

Eu não existo longe de você
e a solidão é o meu pior castigo.
Eu conto as horas pra poder te ver
mas o relógio tá de mal comigo.

Assista...

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Filhos! Para quem tem mais de um.

Como diz o ditado:
o 1º filho é de vidro,
o 2º é de borracha,
o 3º para frente é de ferro.


A ordem de nascimento das crianças
Irmãos mais velhos têm um álbum de fotografia completo, um relato minucioso do dia que vieram ao mundo, fios de cabelo e dentes de leite guardados. Já os caçulas penam para achar fotos do primeiro aniversário e mal sabem a circunstâncias em que chegaram à família.

O que vestir
1º bebê - Você começa a usar roupas para grávidas assim que o exame dá positivo.
2º bebê - Você usa as roupas normais o máximo que puder.
3º bebê - As roupas para grávidas SÃO suas roupas normais.

Preparação para o nascimento
1º bebê - Você faz exercícios de respiração religiosamente.
2º bebê - Você não se preocupa com os exercícios de respiração, afinal lembra que, na última vez, eles não funcionaram.
3º bebê - Você pede a anestesia peridural no oitavo mês.

O guarda-roupas
1º bebê - Você lava as roupas que ganha para o bebê, arruma de acordo com as cores e dobra delicadamente dentro da gaveta.
2º bebê - Você vê se as roupas estão limpas e só descartas aquelas com manchas escuras.
3º bebê - Meninos podem usar rosa, né?

Preocupações
1º bebê - Ao menor resmungo do bebê, você corre para pegá-lo no colo.
2º bebê - Você pega o bebê no colo quando seus gritos ameaçam acordar o irmão mais velho.
3º bebê - Você ensina o mais velho a dar corda no móbile do berço.

A chupeta
1º bebê - Se a chupeta cair no chão, você guarda até que possa chegar em casa e fervê-la.
2º bebê - Se a chupeta cair no chão, você a lava com o suco do bebê.
3º bebê - Se a chupeta cair no chão, você limpa na camiseta e dá novamente ao bebê.

Troca de fraldas
1º bebê - Você troca as fraldas a cada hora, mesmo se elas estiverem limpas.
2º bebê - Você troca as fraldas a cada duas ou três horas, se necessário.
3º bebê - Você tenta trocar a fralda antes que as outras crianças reclamem do mau cheiro.

Atividades
1º bebê - Você leva seu filho para as aulas de musicalização para bebês, teatro, contação de história ...
2º bebê - Você leva seu filho para as aulas de musicalização para bebês ... e só ...
3º bebê - Você leva seu filho para o supermercado, padaria ...

Saídas
1º bebê - A primeira vez que sai sem o seu filho, liga cinco vezes para casa para saber se ele está bem.
2º bebê - Quando você está abrindo a porta para sair, lembra de deixar o número de telefone de onde vai estar.
3º bebê - Você manda a babá ligar só se vir sangue.

Em casa
1º bebê - Você passa boa parte do dia só olhando para o bebê.
2º bebê - Você passa um tempo olhando as crianças só para ter certeza que o mais velho não está apertando, beliscando ou batendo no bebê.
3º bebê - Você passa um tempinho se escondendo das crianças.

Engolindo moedas
1º bebê - Quando o primeiro filho engole uma moeda, você corre para o hospital e pede um raio-x.
2º bebê - Quando o segundo filho engole uma moeda, você fica de olho até ela sair.
3º bebê - Quando o terceiro filho engole uma moeda, você desconta da
mesada dele.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Mamãe vai me dar um irmãozinho!

Para o Pedro...




IRMÃOZINHO
Palavra Cantada


Composição: Luis Pescetti/ versão Zé Tatit

Mamãe vai me dar um irmãozinho
Estou contente
Que bom

Meu pai diz que é ruim ficar sozinho
E tudo que é meu será dos dois
Até a mamãe e o papai de nós dois

Mamãe vai me dar um irmãozinho
Estou contente
Que bom

O nosso apartamento é pequeno
E o meu quarto é pequenininho
Então papai e mamãe me disseram
Dá-se um jeito
Que vale? O que importa? Que o filho já tá quase batendo na porta!
Vai pegar meus brinquedos!

Mamãe vai me dar um irmãozinho
Estou contente
Que bom

Até que é bom ficar sozinho
Não sei porque o papai diz que é ruim
O que é ruim pra ele, é bom pra mim
Perguntei se pelo menos ele vai saber que eu sou sua irmã
Responderam que não... vou ter que esperar...

Mamãe vai me dar uma irmãzinha
Estou contente
Que bom

Papai diz que é ruim ficar sozinho
E tudo que é só meu será dos dois
Até a mamãe e o papai de nós dois

Mamãe vai me dar uma irmãzinha
Estou contente
Que bom

O nosso apartamento é pequeno
E o meu quarto é pequenininho
Então mamãe e papai me disseram
Dá-se um jeito
Que vale? O que importa? O nenê ja tá quase batendo na porta!
Vai pegar meus brinquedos!

Mamãe vai me dar uma irmãzinha
Estou contente
Que bom

Até que é bom ficar sozinho
Não sei porque papai diz que é ruim
O que é ruim pra ele, é bom pra mim
Perguntei se pelo menos ela vai saber que eu sou seu irmão
Responderam que não... vou ter que esperar...

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Como treinar seu dragão - leve seus filhos!

Em toda a vida do Pedro, nunca um desenho chamou mais sua atenção do que o maravilhoso "Como Treinar seu Dragão" (How to Train your Dragon - Dreamworks, 2010).
Desde antes do conhecimento da animação ele já demonstrava uma enorme vontade em ser um dragão; não sei de onde ele tirou essa fantasia...imagino que foi depois que ele assistiu comigo o Jurassic Park II na TV, pois, desde então, todo dinossauro transformou-se em dragão, de acordo com sua pequena e fértil imaginação.
Quando eu soube que sairia em cartaz um desenho sobre dragões...não pensei duas vezes: levei o pequeno para assistí-lo, sem grandes expectativas porque na última vez em que fomos ao cinema, assistir ao UP - Nas Alturas, o Pedrão dormiu!
Mas quem dorme com esse desenho? É muito bom! Colorido, divertido, diálogos claros e inteligentes, traços perfeitos dos humanos, muita cena de ação, muito comovente...todos nós adoramos! Ninguém sequer piscou. Gostamos tanto que fomos hoje novamente, antes que o desenho saísse de cartaz. Resta agora aguardar pelo lançamento em DVD.




Veja o lindo site do filme e leia a crítica no Omelete.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Criando filhos independentes II.

A independência cada vez maior
Dar independência às crianças é difícil -- o tipo de cuidado e atenção que devemos dar a elas é diferente quando elas são bebês e quando têm 3, 7 ou 12 anos, e nem sempre fica tão óbvio o quais tarefas devemos começar a deixar por conta deles.

Mas ninguém quer criar um adulto que traga roupa suja para lavar em nossa casa aos 40 anos de idade e que seja incapaz de se virar e preparar uma refeição simples. Também não queremos criar um adulto totalmente dependente, em termos emocionais, de nós.

Crianças devem crescer, florescer e se tornar independentes sob nossa proteção. Uma planta que fica sempre na sombra de outra acaba se contorcendo e virando para pegar luz, assim como fazem as crianças a quem os pais não dão o espaço e a liberdade suficientes.

Além disso, com tarefas como guardas as coisas, a criança começa a ter senso de organização e asseio, coisas que vão ajudá-la ao longo da vida.

Tranferindo responsabilidades aos poucos
Mais cedo ou mais tarde nós precisamos dar espaço e responsabilidade aos nossos filhos, deixando-os fazer as coisas sozinhos, mas o processo deve ocorrer gradativamente. Se acontecer rápido demais, ou antes da hora, crianças pequenas ficam assustadas com a independência e o efeito é o contrário: elas podem se tornar introvertidas ou se agarrar desesperadamente a você.

Ensine-o a ter opinião própria
- Deixe seu filho ver que você tem opinião: comente quando ouvir alguma bobagem na TV, deixe-o ouvir conversas de adultos.

- Estimule seu filho a falar. Ache uma hora do dia para sentar-se com ele e discutir seu dia. Peça a opinião dele e espere pela resposta. Uma dica: em vez de perguntar "Como foi a escola hoje?", pergunte "Qual foi a coisa mais legal da escola hoje?". A resposta da segunda pergunta é mais promissora que o simples "legal" que você vai ouvir se fizer a primeira.

- Responda quando ele perguntar por quê; explique usando termos simples.

- Se possível, façam as refeições juntos. Ouça sempre que a criança quiser participar da conversa. Nunca caçoe de suas opiniões. O melhor jeito de discordar é dizendo: "É uma opinião/idéia boa/interessante, mas...".

Preparando-o para sair sozinho
- Uma criança pequena, de 1 ano, pode passar um tempinho brincando sozinha no quarto, desde que todos os perigos sejam retirados.

- Aos 2 anos, a criança pode sentar-se à mesa ou no cadeirão e desenhar, enquanto você cozinha, ou brincar aos seus pés enquanto você conversa ao telefone. O segredo é interagir com ela a cada um ou dois minutos, e uma palavra, um sorriso ou um beijo lançado de longe é tudo de que ela precisa.

- Aos 3 anos de idade, seu filho deve caminhar pequenas distâncias com você -- até a banca de jornal ou à lojinha perto de casa, por exemplo. Andar faz bem à saúde e é essencial para aprender segurança nas ruas. Se a criança vir você olhar para os lados ao atravessar a rua, ela também fará o mesmo.

Tarefas domésticas que uma criança de 3 anos pode fazer
- Guardar os brinquedos: faça disso uma brincadeira -- por exemplo, coloque uma música para tocar e brinque de guardar tudo antes de ela acabar.

- Cuidar da roupa suja: aos 3 anos, a criança pode separar as próprias roupas das outras, e as cores claras das escuras. Também pode pôr sua roupa suja no cesto.

- Arrumar a mesa: crianças de 3 anos podem tirar o pó e passar um pano na mesa e no chão se você torcer o pano para elas.

- Assim que ela conseguir segurar objetos pequenos com os dedos e o dedão, no movimento de pinça (em torno dos 6 a 9 meses de idade), deixe a criança comer sozinha sanduichinhos, pedacinhos de banana, cenoura cozida, maçã ralada etc.

- Quando der comida a seu filho, também dê uma colher para ele segurar. Mas levar uma colher de comida do prato para a boca é um negócio complexo e melecado, e leva tempo para ele conseguir. Aos 3 anos já dá para comer sozinho com um garfo de pontas arredondadas, mas ainda é preciso cortar a comida para ele.

- Deixe o bebê segurar o copo ou a mamadeira mesmo que você ajude -- e, aos poucos, passe o controle todo para ele.

- Crianças que praticam ou brincam com coisas que estimulam o uso dos dedos logo aprendem a fazer essas tarefas. Dê a ela um giz de cera grosso e um pedaço de papel para desenhar. Procure brinquedos que estimulem o ato de encaixar, como quebra-cabeças simples.


Ajudando seu filho a se vestir
- Crianças pequenas têm dificuldade em lidar com zíperes, botões, cadarços e ganchos -- escolha roupas com elástico, velcro ou que entrem nela mesmo com zíperes e botões parcialmente fechados.

- Ponha as roupas (sobre a cama, por exemplo) da esquerda para a direita, na ordem em que serão vestidas. Isso não é essencial, mas treina a direção que os olhos devem seguir ao ler.

- Coloque as roupas (sobre a cama, por exemplo) de um jeito que a criança as segure do jeito certo -- calça com a frente para cima (assim ela pode sentar e vesti-la), blusas e vestidos com a frente para baixo.

- Escolha calcinhas ou cuecas com faixas contrastantes na cintura e nas pernas -- isso ajuda a criança a acertar os “buracos” na hora de se vestir. Também dê preferência a meias sem calcanhar marcado.

- Ensine seu filho a colocar primeiro os braços nas blusas e camisetas, antes da cabeça. Evite golas apertadas.

- Ajude a criança a calçar os sapatos, mas deixe que ele os prenda com o velcro sempre que possível. Crianças sentam com os joelhos voltados para fora e tendem a colocar o sapato com o fecho voltado para dentro, onde elas conseguem vê-lo. Por isso elas acabam trocando os sapatos. Fechos centrais evitam isso.

- Ensine "truques" ao seu filho: a etiqueta fica sempre para trás, quase sempre a estampa da camiseta é para a frente, a costura central da calça fica embaixo do umbigo, o desenho ou fecho do sapato fica quase sempre para o lado de fora.

Matéria retirada do site Baby Center.

Criando filhos independentes.

Sempre fui uma pessoa independente. Saí cedo de casa em busca de um sonho e o alcancei com minhs próprias mãos. Passei por muitas situações difíceis mas sobrevivi. Fiquei "calejada" da vida muito cedo; vivi o que muitas pessoas de minha idade não viveram e nem vão viver.
Apesar de tanto sofrimento, dores e decepções... eu cresci! E muito.
Por tudo o que passei, sempre achei que meus futuros filhos deveriam ter também uma certa dose de independência; não necessariamente a que tive mas uma dose equilibrada, sadia, que desse a eles uma visão correta do mundo em que vivemos. Tentar protegê-los e ensiná-los a criarem asas ao mesmo tempo: tarefa árdua, difícil e cheia de emoções.
Quando olho para o Pedro todo independente, querendo fazer tudo sozinho... fico triste por um lado, pois fica aquela sensação de que estou perdendo meu bebê!, mas ao mesmo tempo fico muito feliz por ver meu objetivo sendo cumprido a cada dia.

Como é difícil dar asas aos nossos pequenos!
Como é bom vê-los preparados para o mundo!


Andando na escada rolante...


Pediu para subir no cavalo...


Quis olhar sozinho,sem ajuda...


Empurrou sozinho o carrinho no mercado...


quinta-feira, 8 de abril de 2010

terça-feira, 23 de março de 2010

Quem precisa de despertador?

Temos um despertador bem original em casa.
Ele não atrasa e não há como não levantar pois ele é insistente e não tem botão de liga-desliga!
Depois que o Pedro começou a ir à escolinha, o relógio biológico dele desperta no mesmo horário todos os dias; seria ótimo se isso não fosse tão cedo!

Ele vai até nosso quarto e fica falando:
- Gente, acorda! Levanta! Já é de dia, tá sol! Olha, vou mostrar!, diz ele abrindo a cortina e iluminando o quarto, para o nosso desespero!
Não contente, vai ao meu lado da cama e fica falando:
- Mãe, levanta! Eu fiz o café. Tem que levantar e escovar os dentes pro bichinho não comer (os dentes)! Eu te ajudo mãe...levanta! Põe os chinelos. Abre os olhos mãe, igual o Pedro!, diz ele dando um sorriso forçado e arregalando os olhos.
Geralmente o pai já levantou e o café já está mesmo pronto; a ajuda do Pedro foi apertar o botão da cafeteira.
Então ele me beija, "abre" meus olhos, tira o lençol de cima de mim, pega em minhas mãos, me "ajuda" a levantar e a colocar os chinelos, me leva até o banheiro e só depois disso fica satisfeito.
Quem precisa de despertador mesmo?

Substantivos...


O Pedro adora experimentar novas conjugações de verbo e de transformar substantivos masculinos em femininos. Apesar de se confundir um pouco em falar "obrigado" e não "obrigada" como a mamãe diz, ele arrisca bastante e geralmente tem sucesso. Ontem, ele até tentou mas não conseguiu:
- Você é meu tesouro!, disse a ele.
- Você é minha tesoura!, ele respondeu!
Seguindo a lógica, o raciocíonio foi certo mas o resultado...











terça-feira, 9 de março de 2010

O bêbado que falava inglês.

Voltando da escolinha, eu e o Pedro, a pé, nos deparamos com uma figura alegre que estava falando palavras indecifráveis em alto e bom tom. O Pedro achou o homem muito legal e engraçado; acenou para ele e sorriu. O homem, então, olhou para o Pedro, balbuciou algumas palavras e retribuiu o sorriso.
Olhando para trás, sorridente, o Pedro disse:
- Mãe, aquele tio falou em inglês comigo! Ele grita!
Rindo muito, respondi:
- É filho, ele está falando ato porque está feliz. Que bom que ele falou em inglês com você!

E assim o Pedro fez mais um amigo...esse Pedro!

terça-feira, 2 de março de 2010



Clique na tirinha...

Let the praises ring!

Desde o ventre, o Pedro gosta muito de música.
Ultimamente ele tem se interessado por um CD em especial:
Shout praises! kids 3
Enquanto ele está em casa está ouvindo este CD!
Ele dorme ouvindo este CD;
não quer mais ouvir músicas de ninar...só este CD e "alto".
Se a gente abaixa o volume, ele logo pede para aumentar e colocar
no "alto" ou no "médio alto" como ele mesmo diz.
A que ele mais gosta e "canta", é a primeira faixa:



Music by Lincoln Brewster

segunda-feira, 1 de março de 2010

Menino de fases.

O Pedro, assim como toda criança, tem suas fases.
A atual é comer bisnaguinha com mel, ouvir música em inglês, brincar com dragões e "falar" em inglês! Até os brinquedos falam em inglês...culpa do House com certeza!
O fato de tanto querer comer pão e bisnaguinha com mel, deixou o pobre Pedro com coco mole por mais de uma semana. Difícil foi convencê-lo a deixar o mel de lado para melhorar! Ah, esse Pedro!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Meu primeiro dia de aula na escolinha.

Meu primeiro dia de aula na escolinha foi aguardado com muita ansiedade. À medida que o dia ia se aproximando meu coração ficava menor, apertado. Quanta saudade eu sentiria daquele serzinho correndo, dançando, pulando e falando a tarde toda pela casa!
Eu, mãe, que sofri no primeiro dia de aula do Pedro. Ele...estava se divertindo; se eu saísse sem me despedir nem sentiria minha falta. Também, disputar a atenção dele com tanta criança da mesma idade e tantos brinquedos no parquinho seria emsmo muito difícil!
Preparamos o Pedro por muitos dias. Falávamos que ele deveria obedecer às "tias", comer tudo o que oferecessem a ele, beber bastante água, pedir para fazer xixi e coco quando tivesse vontade etc. Falamos como seria gostoso brincar com os coleguinhas, aprender coisas novas, fazer amigos. Visitei com ele a suposta escolinha quando procurávamos uma mais adequada às nossas "exigências de pais" e às necessidades atuais do Pedro; logo de cara percebi que seria ali mesmo...ele já havia se misturado à criançada enquanto eu tratava de negócios e tirava minhas dúvidas com a diretora. Difícil foi tirá-lo de lá sem choro porque ele não queria ir embora...saiu apenas depois de prometido um retorno em breve àquele lugar mágico!
Hoje está sendo seu primeiro dia lá. Fui mais cedo e levei-o pessoalmente para mostrar o banheiro com "privada para criança", o bebedouro onde ele deveria beber água, a pia onde lavaria as mãos. Virei as costas e lá estava o Pedro: brincando no parquinho, todo ambientado já!
Ouvi ele dizer: "Tia, posso lavar as mãos?", "tia, quero água!".
Quando aparecia alguma criança ele dizia: "Oi, meu nome é Pedro".
Na minha saída, chamei-o e ele começou a chorar pensando que também iria embora...quando eu disse que apenas eu iria, ele me abraçou e me beijou dizendo: "Você é meu amor."
É. Difícil...para mim, lógico! Desde o nascimento do Pedro a gente nunca havia se separado. Virei autônoma para cuidar dele em casa. Ele precisou ir para a escolinha porque estava pedindo amigos, brincadeiras novas, conviver com gente do tamanho dele...a mãe não estava mais suprindo tudo.
Que casa vazia!
Que casa silenciosa!
Começa uma nova fase para mim: voltarei a ser eu. Darei um pouco de atenção a mim: descansarei, trabalharei, lerei aqueles livros encostados a algum tempo, digitarei mais e darei atenção para o bebê da barriga, né bebezinho!
Que tarde longa!
Ainda bem que ele só fica meio período.
Terei a manhã inteira para curtir bastante meu Pedro!
Quanta saudade!

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Criança não trabalha, criança dá trabalho!

Essa do grupo Palavra Cantada é ótima!
Ainda mais com a participação do Arnaldo Antunes!





Criança não trabalha

Composição: Arnaldo Antunes e Paulo Tatit

Lápis, caderno, chiclete, pião
Sol, bicicleta, skate, calção
Esconderijo, avião, correria, tambor, gritaria, jardim, confusão

Bola, pelúcia, merenda, crayon
Banho de rio, banho de mar, pula cela, bombom
Tanque de areia, gnomo, sereia, pirata, baleia, manteiga no pão

Giz, merthiolate, band-aid, sabão
Tênis, cadarço, almofada, colchão
Quebra-cabeça, boneca, peteca, botão, pega-pega, papel, papelão

Criança não trabalha, criança dá trabalho
Criança não trabalha...

Lápis, caderno, chiclete, pião
Sol, bicicleta, skate, calção
Esconderijo, avião, correria, tambor, gritaria, jardim, confusão

Bola, pelúcia, merenda, crayon
Banho de rio, banho de mar, pula cela, bombom
Tanque de areia, gnomo, sereia, pirata, baleia, manteiga no pão

Criança não trabalha, criança dá trabalho
Criança não trabalha...

Giz, merthiolate, band-aid, sabão
Tênis, cadarço, almofada, colchão
Quebra-cabeça, boneca, peteca, botão, pega-pega, papel, papelão

Criança não trabalha, criança dá trabalho
Criança não trabalha...

1, 2 feijão com arroz
3, 4 feijão no prato
5, 6 tudo outra vez...

Lápis, caderno, chiclete, pião
Sol, bicicleta, skate, calção
Esconderijo, avião, correria, tambor, gritaria, jardim, confusão

Bola, pelúcia, merenda, crayon
Banho de rio, banho de mar, pula cela, bombom
Tanque de areia, gnomo, sereia, pirata, baleia, manteiga no pão

Criança não trabalha, criança dá trabalho
Criança não trabalha...


quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Espetinho de carne!

Quem já não passou a maior vergonha quando o filho apontou algo que outra pessoa estava comendo? Pois é...desta vez não deu para escapar. Pedro, mamãe e papai estavam andando pela calçada, perto de um cemitério, quando passaram em frente a um bar onde estavam pessoas comendo e bebendo na porta do mesmo. O Pedro, de longe, avistou um dos frequentadores do bar comendo um espetinho recém comprado de um senhor que vendia seus petiscos num carrinho em frente ao cemitério. Sem titubear, logo disse:
- Mãe, uma carninha!, falando e apontando para o cidadão que estava começando a comer o espetinho de carne.
O cidadão, constrangido, disse:
- Ô senhora, pega um pedacinho pro menino, tadinho! Olha, tá com vontade!
O papai não sabia para onde olhar e a mamãe, tentando disfarçar o rosto avermelhado de vergonha, pegou o espetinho e tirou um pedaço de carne para o Pedro...ai, que situação!
Depois dos muitos "obrigados" da mamãe, o cidadão ficou feliz da vida por ter "matado a vontade" do menino, o menino ficou feliz da vida porque ganhou um pedaço de carne e a mamãe e o papai ficaram sem reação.

Ter filho é isso aí!

sábado, 16 de janeiro de 2010

Palavra Cantada.

Nada no Brasil (em gênero musical infantil) se compara ao Palavra Cantada. Eles respeitam a inteligência das crianças e suas músicas, além de divertidas, ensinam e encantam.
O Pedro adora, em especial, a música da sopa. Aí vai um trecho:



Em breve coloco mais.

Clique no quadrinho e divirta-se.


FELIZ 2010 A TODOS!

CONTINUEM COM A GENTE NESTE NOVO ANO!

Porquês.

Mês passado o Pedro começou com os porquês. Para tudo tem que ter um porquê e mais um porquê depois da resposta ouvida até acabarem-se as explicações (ou a paciência!).
Ontem, ele, olhando para a chuva disse:
- Chuva, por que você tá chovendo?...

Mas ficou sem resposta.

Essas crianças...

Desde que tive meu filho Pedro penso em escrever. Não apenas algo para as mães mas compartilhar com todos as alegrias, sustos, tristezas, emoções e até os momentos de raiva que todos os pais passam com seus filhos.
Cada filho é único, não dá para generalizar. Mas existem coisas que toda criança faz, sem exceções...quem tem filho vai se identificar, quem pensa em ter filhos...vai se surpreender!

Além disso, quem é de Sorocaba e região poderá conferir, aqui, dicas de passeios, programação cultural e outras atividades voltadas para a família, conferidas e recomendadas por mim.